16 de nov de 2010

por não compreendermos...

Em nossas cegueiras amaldiçoamos às vezes, as nossas vidas, por não compreender o que fomos e o que nos espera. Nos desequilíbrios dos nossos obscuros raciocínios, habituamos a proceder de maneira irracional com a gente mesmo, chegando mesmo a ultrapassar as barreiras dos nossos destinos de nossas cores auréolas cujas vidas se tornam dolorosas, e por todos os pontos da Terra o clamor, e quando chega o término da grande viagem desembarcamos sem uma única coberta que possa cobrir no longo frio do último porto, e, em vez lhe resta o que deixou ouro e prata, e consigo leva a tua última herança que é o conflito da desarmonia interior. É fácil presumir o que nos resta e até onde podemos ir, e a nossa capacidade pode chegar. Todos nós conhecemos a linha divisória entre o visível e o invisível, entre o objetivo e o subjetivo entre o sonho e a realidade, se assim pensarmos talvez, que as nossas vidas não sejam tão alucinantes e nos dá trégua a um conhecimento profundo e honesto com a gente mesmo, então antes, muitos antes do desembarque já estaremos livre para receber nossos amigos e também os que se dizem nossos inimigos. Salve Deus! Tia Neiva.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.